REVIFÉ é revivendo com fé!


Deixe um comentário

Vitória da vida: nadadora é bronze no Mundial após superar câncer de mama


Depois de se classificar para a competição em meio a 16 sessões de quimioterapia, Raquel Viel leva medalha nos 100m costas S10: “Não podemos desistir dos nossos sonhos”

Raquel Viel já chegou ao Mundial Paralímpico de Natação do México com um sentimento de vitória. Nos últimos meses, a nadadora deficiente visual travou uma árdua batalha contra um câncer de mama no seio esquerdo, livrando-se do tumor após 16 sessões de quimioterapia. Em meio à luta pela vida, Raquel ainda teve forças para conseguir a classificação para a competição que acontece no Centro Olímpico Francisco Marques, na Cidade do México. Neste fim de semana, a paulista de Vinhedo, coroou o seu momento com um bronze nos 100m costas S12, sua primeira medalha em Mundiais.

– A melhor medalha que eu poderia ganhar eu já ganhei esse ano, que é a vida. Não podemos desistir dos nossos sonhos. Essa medalha no Mundial veio para terminar o ano com um gostinho mais especial. Não imaginava subir ao pódio aqui, porque treinei bem menos esse ano por causa do tratamento. Vim aqui mais para celebrar o fim do tratamento – disse Raquel Viel, 34 anos.

A conquista da nadadora emocionou todos que participaram da sua trajetória. Ao deixar a piscina do Centro Olímpico Francisco Marques na noite dete sábado, Raquel foi abraçada por diversos integrantes da sua comissão técnica, em especial o técnico Luiz Cândido, que não conteve as lágrimas.

– Parabenizo a todos os profissionais que se empenharam na recuperação da Raquel. Acho que esse Mundial veio a coroar a luta que ela teve. Hoje ela não fez o melhor tempo dela, mas valeu e muito. Isso só vem a premiar uma carreira vitoriosa, de uma pessoa que passou um exemplo para muita gente – destacou Luiz.

Raquel descobriu o nódulo no seio esquerdo um ano antes da Paralimpíada do Rio, quando conquistou o bronze nos mesmos 100m costas S12. Ao ser examinada pela primeira vez, seu então médico sugeriu que fizesse exames mais aprofundados apenas depois dos Jogos, uma vez que o tumor não aparentava ser maligno. Após a Rio 2016, porém, veio a surpresa. Ao consultar a oncologista Vivian Antunes, Raquel teve seu câncer diagnosticado.

A partir de então, a nadadora teve de passar por 16 sessões de quimioterapia, a última delas em abril deste ano. Apesar do tratamento, Raquel continuou nadando, embora tivesse perdido boa parte das suas forças, o que limitava sua quantidade de treinos. Contudo, no mesmo mês de abril, a paulista bateu o índice para o Mundial do México numa seletiva nacional, o que surpreendeu a própria atleta, que, semanas depois, ainda teve de fazer uma cirurgia para retirar uma parte do seio afetada pelo tumor.

– Foram 16 sessões e ainda fiz radioterapia depois. Eu ficava zonza, fraca, mas o meu técnico e a minha médica se acertataram de modo que eu não precisasse interromper a carreira. Consegui a vaga para o Mundial assim, batendo o índice no Open, em abril. Ainda sinto dores no braço e na axila por causa da cirurgia – revelou.

Apesar de ter se livrado do tumor no seio, Raquel segue em observação para evitar o surgimento de novos focos de câncer no organismo. Além de usar uma medicação oral, de dois em dois meses ela vai à médica para ser examinada. A profissional que cuida da nadadora, inclusive, mandou uma mensagem à atleta um pouco antes da final dos 100m costas deste sábado. O apoio serviu como um combustível para Raquel dar o seu melhor na piscina e levar o bronze.

– Você é enorme e acima de tudo inspiradora. É uma força enorme para a vida de muita gente e para a minha também. Você chega a essa competição já como vencedora, então fica aqui a minha palavra de admiração por você. Você é incrível, como poucas pessoas que eu conheci na minha vida – disse a médica na mensagem.

No auge das emoções com a conquista no México, Raquel Viel fez questão de lembrar da mãe, falecida quando a nadadora – que é deficiente visual de nascença – tinha apenas 13 anos.

– Dedico essa medalha à minha, que faleceu com a mesma doença. Dedico todo o meu esforço às diversas pessoas que passam pela mesma doença. Eu estar aqui hoje é um presente de Deus. Agradeço a todos os que estiveram do meu lado, família, amigos, comissão técnica e à Doutora Vivian, que foi essencial no meu tratamento – finalizou.

O Mundial Paralímpico de Natação prossegue neste domingo, com provas a partir das 22h (horário de Brasília) – o SporTV.com transmite ao vivo. Ao todo, sete nadadores brasileiros estarão em ação neste segundo dia de competição. Confira a programação das finais:

22h49 – Andre Brasil e Phelipe Rodrigues: 100m livre S10
23h18 – Edênia Garcia: 50m costas S3 – final
23h43 – Joana Neves: 50m borboleta S5 – final
23h58 – Gabriel Souza: 100m livre S8- final
0h02 – Cecília Araújo: 100m livre S8 – final
0h07 – Thomaz Matera: 400m livre S13 – final

 

 

 

Anúncios