Categoria: saúde pública

Quero fazer uma denúncia e não sei como!


Um canal aberto para ouvir, registrar e procurar solução.

Não podemos permanecer em silêncio, as autoridades competentes e a sociedade em geral precisa ter conhecimento da versão de quem está em tratamento ou de seus familiares.

A solução começa na nossa decisão de participar e compartilhar nossas experiências e necessidades!

Se você tem alguma denúncia sobre: 

* Falta de medicação 

* Interrupção de tratamento

* Descumprimento da lei dos 60 dias

* Aparelho de radioterapia desregulado

* Falta de atendimento médico

* Descumprimento da lei da reconstrução mamária

* Condições insalubres de atendimento na unidade oncológica

Envie um email para revife@gmail.com  e conta para gente o seu relato.

Queremos te ajudar! 

O câncer de mama atrapalha a gravidez?


É comum que, quando finalmente pacientes procuram uma clínica de fertilidade para buscar alternativas para o seu caso de infertilidade, já tenham passado anos e inúmeras tentativas sem sucesso, o que pode causar muita ansiedade e angústia. Ao mesmo momento, muitas dúvidas e questionamentos sobre a efetividade do tratamento ocupam a sua cabeça.

Estudos realizados por universidades nos Estados Unidos afirmam que uma em cada 3.000 mulheres grávidas apresenta câncer de mama durante a gravidez. Esse é o tipo de câncer mais frequente em mulheres grávidas, mas também pode surgir após o parto, no ano que a mulher dá a luz, ou durante a lactação.

CÂNCER DE MAMA E GRAVIDEZ

Continue reading “O câncer de mama atrapalha a gravidez?”

Funcionária consegue manter plano de saúde após empresa cancelar contrato


Por Tadeu Rover

Mesmo quando a rescisão de contrato de plano de saúde coletivo acontece a pedido da empresa que o contratou, deve a seguradora ofertar plano ou seguro de assistência à saúde na modalidade individual ou familiar ao universo de beneficiários, sem necessidade de cumprimento de novos prazos de carência.

Esse foi o entendimento da juíza Gisele Valle Monteiro da Rocha, da 1ª Vara Cível de São Paulo, ao obrigar uma seguradora a manter o plano de saúde de uma mulher que estava no meio de um tratamento de câncer de mama quando a empresa na qual trabalha cancelou o plano coletivo.

Na ação, a mulher contou que, após a empresa solicitar o cancelamento da apólice empresarial por questões financeiras, a seguradora não ofertou plano na modalidade individual, conforme determina a Agência Nacional de Saúde (ANS) e o Conselho de Saúde Suplementar (Consu).

A medida, segundo a trabalhadora, também violou a Lei 9.656/98 e o Código de Defesa do Consumidor, prejudicando a continuidade do seu tratamento. Por isso, pediu que o plano fosse obrigado a manter sua apólice, liberando seu atendimento na rede credenciada para que possa continuar o tratamento. A trabalhadora foi representada pelo advogado Eliezer Rodrigues de França Neto.

Em sua defesa, a seguradora alegou que, com o cancelamento do contrato, torna-se inviável a permanência do ex-segurado no plano, uma vez que não comercializa plano de saúde individual ou familiar nem tem autorização para isso.

Para a juíza Gisele Valle Monteiro da Rocha, no entanto, o modo que o contrato foi rescindido foi abusivo. Isso porque, segundo ela, houve a recisão unilateral entre a seguradora e a ex-segurada, o que é permitido pela legislação desde que obedecidos alguns requisitos, entre eles ofertar plano individual, o que não ocorreu.

“Embora a ré [seguradora] tenha cumprido o requisito temporal (aviso prévio com antecedência mínima de 60 dias) e a empresa quem pediu o cancelamento, a ré descumpriu aquele que determina a oferta de plano individual ou familiar à autora, sendo, portanto, ilegal e abusiva a rescisão do contrato”, afirmou a juíza.

Gisele Rocha disse ainda que a necessidade de ter sido ofertado o plano individual sem carência é reforçado pelo diagnóstico de doença grave, no caso o câncer de mama, para que ela pudesse continuar seu tratamento, sob pena de ofensa ao princípio da dignidade da pessoa humana e da boa-fé que deve nortear os contratos.

A juíza rechaçou ainda a alegação da seguradora de que não comercializa e não tem autorização para oferecer plano de saúde individual. “É que na hipótese não estamos tratando de um novo plano individual, mas de mera migração, ou seja, de continuidade de contrato já existente, apenas alterando-se sua natureza de coletivo para individual/familiar”, concluiu.

Clique aqui para ler a sentença.
Processo 1062556-22.2017.8.26.0100

Na Argélia, mulheres são abandonadas pelos maridos após mastectomia


Vítimas do câncer de mama são tratadas como ‘mutiladas’ após remoção de seio
mmmmm

ARGEL — “O câncer? Não é nada em comparação com o fato de ser rejeitada após 18 anos de casamento”, conta Linda que, como muitas argelinas, foi abandonada pelo marido após sofrer uma mastectomia para a remoção de uma mama por causa da doença. Após a operação, seu marido a chamava de “nass mraa” (meio mulher) ou “lamgataa“ (mutilada), recorda a assistente médica, mãe de três filhos que a apoiaram frente ao pai.

Zohra também sofreu uma mastectomia em 2015. Após 25 anos de casamento, seu marido pediu o divórcio e a deixou sem recursos. “Foi odioso”, lembra a dona de casa de 53 anos. Linda e Zohra não são casos isolados. Continue reading “Na Argélia, mulheres são abandonadas pelos maridos após mastectomia”

Câncer de mama: o recomeço após o tratamento


diagnóstico e o tratamento do câncer de mama exigem tempo e atenção de todos: pacientes, equipe medica e familiares. São meses dedicados a visitas quase que semanais a médicos das mais diferentes especialidades, exames de imagem, seções de quimioterapia, revisões cirúrgicas, visitas de enfermagem, tratamento radioterápico e uma grande quantidade de exames laboratoriais.

A perda dos cabelos e a eventual necessidade de remoção das mamas – mesmo naquelas pacientes submetidas à reconstrução – associada à variação do peso, secundário ao tratamento medicamentoso, faz com que muitas mulheres fiquem sensíveis em relação à sua imagem corporal. Estes fatores podem, frequentemente, levar a episódios de depressão, ansiedade e perda da libido. Continue reading “Câncer de mama: o recomeço após o tratamento”