REVIFÉ é revivendo com fé!


Deixe um comentário

#KnowYourLemons: Uma foto e 12 limões para aprender a detectar o câncer de mama


Embora o autoexame continue sendo o método mais eficaz, há outros sinais externos que podem mostrar que alguma coisa não está bem no seu peito.

O autoexame da mama costuma ser a maneira mais utilizada pelas mulheres para detectar um possível tumor no seio. Muitas, no entanto, não sabem que existem outros sinais externos que podem indicar que algo não está bem e que tenham desenvolvido, por exemplo, um câncer de mama.

Para evitar que isso aconteça, a designer Corrine Beaumont decidiu fazer uma explicação visual que reunisse os sintomas superficiais mais comuns de uma forma simples e direta. A ilustração inicial foi criada há alguns anos – enquanto Beaumont fazia um projeto na universidade, em 2002 – mas voltou a popularizar-se na semana passada, por meio das redes sociais, e foi traduzida em vários idiomas.

Fonte: brasil.elpais.com


Deixe um comentário

Coordenadora Sylvia Crivella e deputada Rosangela Gomes recebem equipe do Hospital Mário Kroeff


Este slideshow necessita de JavaScript.

Nesta tarde, 10/01, a Coordenadora das Obras Sociais do Município do Rio de Janeiro, a primeira dama Sylvia Crivella nos recebeu no Palácio da Cidade para tomar conhecimento do estado em que se encontra o Hospital Mário Kröeff, o segundo hospital referência em tratamento do câncer no Rio de Janeiro.

Podemos afirmar que hoje um novo tempo, uma nova história se inicia para o Hospital Mário Kröeff e seus pacientes! Verdadeiramente, agora é a hora de cuidar das pessoas!

A deputada Rosangela Gomes propôs  emendas orçamentárias a fim de ajudar o setor de mastologia, que atende a muitas mulheres vítimas de câncer.

Da esquerda para a direita:

Dra Lucia Feitosa, diretora do hospital do Andaraí, Deputada Rosangela Gomes, Dra Maria Helena Vermont diretora da mastologia do Hospital Mário Kroeff , Dra Catia diretora técnica do Hospital Mário Kroeff, Sandra de Andrade presidente do REVIFÉ, Sylvia Crivella,Dra Mariana Kroeff diretora presidente do hospital Mário Kroeff e Vera Valesca.
img_1619


Deixe um comentário

REVIFÉ e CONFECAP em Itanhahém


CONGRESSO DE MULHERES “CANCÊR NÃO É UMA SENTENÇA” DIA 26 E 27 DE SETEMBRO

Na Igreja Cristã Amor pelas Nações

Com a presença da Pra Sandra Andrade do RJ, trazendo um linda mensagem de fé e de como vencer com fé em Deus o câncer de mama, idealizadora do instituto REVIFÉ que presta serviços humanitários e evangelísticos em hospitais, também ministrará o curso de capelania certificado pela CONFECAP.


Deixe um comentário

Longe da escola, menina aprende a ler e escrever no hospital


Lara

NATÁLIA CANCIAN, DE SÃO PAULO

Foram três dias de aula até que um exame revelou o diagnóstico: a pequena Lara, 6, teria que deixar temporariamente a nova escola para ser internada com urgência no Hospital Infantil Darcy Vargas, em São Paulo.

Tudo começou quando a mãe estranhou o pescoço e a barriguinha inchados e manchas nos braços da filha. Passou por consultas —no início, um médico sugeriu que ela tivesse apenas uma dor de garganta. Até que um exame trouxe o diagnóstico: leucemia.

“Não gosto nem de lembrar. Chorei muito. Ela brincava, pulava e de uma hora para outra ficou doente”, conta a manicure Juliana Roberto de Souza, 29.

Entraram no hospital em 14 de fevereiro. “Levei um susto tremendo. Ela chegou e foi direto para a UTI”, diz a mãe.

Foi lá, onde a menina ficou por 23 dias, que a mãe soube da existência de uma “escola” dentro do próprio hospital: uma chance para Lara, que havia iniciado o 1º do ensino fundamental, continuar a aprender a ler e escrever.

Sala de aula e de quimioterapia

Lara, 6, diagnosticada com leucemia, tem aulas em uma escola dentro do próprio hospital, em SP. A menina começou a ter aulas ainda no quarto e, dias depois, no espaço de uma brinquedoteca. Por vezes, encontra a professora e faz exercícios de português e matemática até na quimioteca, onde recebe parte da quimioterapia

A garota começou a ter aulas ainda no quarto e, dias depois, no espaço de uma brinquedoteca. Por vezes, encontra a professora e faz exercícios de português e matemática até na quimioteca, onde recebe parte do tratamento.

A iniciativa, chamada de classes hospitalares, ainda é pouco conhecida no país. Hoje, ao menos 146 hospitais têm professores e salas de aula para atender crianças em tratamento de saúde, segundo levantamento coordenado pela professora Eneida Simões da Fonseca, da UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro).

O número ainda é baixo, se comparado à quantidade de hospitais existentes no país —são 5.552 unidades ligadas ao SUS, segundo o Ministério da Saúde.

‘NÃO ENTENDI NADA’

Um desses hospitais com aulas é o Darcy Vargas, onde está Lara, uma figura miudinha, de sorriso aberto.

Para iniciar as aulas, a mãe foi até a escola onde estudava Lara –a escola municipal Paulo Setúbal, na zona sul. Lá, buscou livros didáticos, provas e lições de casa. A partir daí, a sala de aula de Lara mudou de lugar.

Do alfabeto, a menina passou a aprender a formar palavras.

“No início ela relutou muito, porque ela achava que não sabia nada. Ela me olhava de cara feia e falava: ‘Eu já não disse que eu não sei, você não entendeu?’”, conta Dilma de Moraes, um dos sete professores da rede estadual de SP que atendem no Darcy Vargas.

“Quando ela viu que podia aprender, aí ela se empolgou. O dia que eu não dou nada para ela, ela vem na brinquedoteca e me cobra”, diverte-se a professora.

CONTINHAS E LÁPIS

Três meses depois, Lara vive de juntar as letras e resolver “continhas”, de lápis na mão. Mas gosta mesmo é de escrever o nome dela e das pessoas da família, uma forma de amenizar a saudade por ver os irmãos só aos finais de semana —um deles tem apenas dois anos e não pode ir ao hospital.

Nas horas livres, também solta a criatividade: neste mês, criou até uma bandeira do Brasil para colocar em cima do travesseiro enquanto assiste aos jogos da Copa. “Eu que fiz”, entrega, ainda tímida.

Na última quarta-feira (11), quando a Folha estava no local, ela também se revezava entre desenhos, livros e um caderno de caligrafia. De férias, faz as lições deixadas pela professora.

“Ela aprendeu a escrever aqui. Antes, só sabia o abecedário e os números. Agora, já junta as palavras, lê e faz frases curtas. Também adora caça-palavra e matemática”, conta, orgulhosa, a mãe. “Foi fundamental porque, quando ela voltar para a escola, já vai saber tudo”, completa.

Segundo a mãe, o retorno está previsto para agosto, após o último “bloco” de quimioterapia —quando Lara é internada por alguns dias para receber a medicação. O tratamento, no entanto, deve continuar.

“Sempre ouvia falar sobre câncer, mas jamais imaginei que pudesse acontecer com a minha filha. Pensei que ela fosse reagir de outra forma, mas está lidando bem. Ela nasceu de novo. Tenho fé que vai se curar”, diz a mãe, que já se prepara para convencê-la a voltar à escola nos próximos meses. “Ela não quer, quer ter aula aqui”, ri.