REVIFÉ é revivendo com fé!

VERGONHA NA SAÚDE PÚBLICA BRASILEIRA!

Deixe um comentário

Sem condições de atender, emergências de hospitais dispensam pacientes

POR ALESSANDRO LO-BIANCO

Rio –  A falta de médicos, materiais hospitalares e remédios está levando hospitais federais do Rio a negar atendimento emergencial a diversos pacientes, que estão sendo orientados a procurar Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e clínicas da família.

Por causa da carência de especialistas, o Centro de Tratamento de Queimados (CTQ), no Hospital Federal do Andaraí, ameaça ser fechado. Ontem, o aposentado Manoel Mozart, de 69 anos, ficou oito horas numa cadeira de rodas aguardando um urologista avaliar um exame feito pela manhã na unidade. “Estou o dia todo sem conseguir andar nem comer, e morrendo de dor. Não tenho mais idade para ser humilhado desta maneira”, desabafou.

Viviane não conseguiu atendimento para o filho de três anos, que tem um pino cirúrgico saindo pelo pé | Foto: Uanderson Fernandes / Agência O Dia

Viviane não conseguiu atendimento para o filho de três anos, que tem um pino cirúrgico saindo pelo pé | Foto: Uanderson Fernandes / Agência O Dia

O mesmo drama era sentido pelo securitário Edinaldo Martins, de 58 anos, que aguardava atendimento no local havia mais de cinco horas: “Me orientaram a ir para a UPA, mas lá não tem um especialista. Já são 19h e falaram que o urologista chegaria às 16h. Há uma semana só consigo falar com enfermeiros, que só receitam remédios para dor”, disse, nervoso.

No Hospital Cardoso Fontes, em Jacarepaguá, a emergência funciona precariamente em duas salas, pois há um ano as obras na antiga emergência não são concluídas. “Os pacientes que chegam aqui são orientados a marcar o atendimento pela Clínica da Família. Isso é só para dispensá-los, pois estas unidades não marcam atendimentos para outros hospitais”, denunciou uma funcionária sem se identificar.

Mesmo com pé ferido, criança não é ajudada

Depois de ir ao Hospital Federal de Bonsucesso ontem, a dona de casa Viviane Reis, de 29 anos, voltava desesperada para São Gonçalo sem conseguir atendimento para o filho de três anos que precisou colocar um pino no pé em razão de uma doença congênita. Os arames rasgaram o pé da criança e estavam para fora.

“Há uma semana que ele está assim. Eu mesmo estou fazendo os curativos, mas estou com muito medo porque o pino saiu pela pele e está do lado de fora. Eles disseram para eu voltar semana que vem, pois não há pediatras para atendê-lo hoje”, disse.

O mesmo problema também atinge os serviços da emergência do hospital pediátrico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que havia sido interrompido. Ontem, a Defensoria Pública solicitou a reabertura do setor, situado na Ilha do Fundão, em até 24 horas, sob pena de medidas judiciais. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s