REVIFÉ é revivendo com fé!

As mulheres têm três vezes mais depressões e ansiedade crônica que os homens

Deixe um comentário

por ANA MAIA Hoje

Mulheres sofrem mais de ansiedade que os homens. Eles têm mais enfartes e acidentes vasculares cerebrais.

As mulheres têm três vezes mais depressões e ansiedade crónica que os homens. De acordo com os dados divulgados pela Direcção- -Geral da Saúde, são elas que apresentam maiores percentagens de doenças crónicas quando comparadas com os homens. Já eles registam mais casos de enfarte do miocárdio e de acidentes vasculares cerebrais (AVC). Em ligação com estes dados, os psicofármacos são o segundo grupo de medicamentos com maiores encargos para o Serviço Nacional de Saúde (SNS), antecedidos pelos anti-hipertensores.

Em Portugal, 12,5% das mulheres tiveram ou têm depressão. O triplo da percentagem registada nos homens, que se fica pelos 4%. Também na ansiedade crónica são as elas as mais afectadas: 6,4%. O cenário é idêntico ao anterior, com os homens a registarem uma percentagem três vezes inferior: 2,6%.

De acordo com os dados recentemente divulgados pela Direcção-Geral da Saúde (DGS), com as estatísticas de 2008, as mulheres apresentam maiores percentagens em quase todas as doenças crónicas. Os homens têm mais casos de enfarte do miocárdio – 1,9% contra 0,8% nas mulheres – e AVC, em que a diferença é pequena (1,8% nos homens e 1,5% nas mulheres).

Em 2008, os hospitais públicos deram 314 855 consultas externas de psiquiatria e 111 731 de psiquiatria da infância e da adolescência. As administrações regionais de saúde requisitaram às entidades convencionadas com o SNS camas para o internamento de 12 371 doentes na área da psiquiatria. Já os psicofármacos são o segundo grupo de medicamentos com maiores encargos para o SNS, com 12,9% em relação ao total de gastos, apenas antecedidos pelos anti-hipertensores (20,8%).

No que respeita a gastos totais com medicamentos em 2008, os encargos do SNS ascenderam a perto de 1,5 mil milhões de euros. Em média, cada pessoa teve 7,6 receitas em 2008, com 2,3 embalagens prescritas em papel.

Relativamente à obesidade, as faixas etárias dos 45 anos para a frente são as que apresentam maiores percentagens de excesso de peso e de obesidade. Os homens dos 75 aos 84 anos são os que têm maior excesso de peso, enquanto nas mulheres o pior registo é entre os 55 e os 64 anos.

No que respeita às doenças de declaração obrigatória, é possível perceber que praticamente todas elas estão em queda, comparando os dados de 2008 com anos anteriores. Destaque para o tétano, com apenas um caso notificado em 2008 (em 1995 foram 28), para a meningite meningocócita, com 29 notificações (113 em 1995), um de sarampo (192 em 1995) e quatro de rubéola (125 em 1995).

Doenças que fazem parte do Plano Nacional de Vacinação e que mostram a eficácia das vacinas, colocando o nosso país entre os melhores nesta área. A excepção é a tosse convulsa, que apesar de ter vacina triplicou o número de casos. Um aumento que levou a DGS a avaliar, este ano, um possível reforço da vacina.

A tuberculose continua a descer, com 2995 casos registados, menos 166 que em 2007. A quase totalidade foram novos casos e apenas 232 foram retratamentos. Já em relação à sida, em 2008 foram diagnosticados 387 casos, pouco mais de metade do número de notificações (619).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s