REVIFÉ é revivendo com fé!

Teste de sangue pode mostrar volta de câncer

Deixe um comentário

RIO – Um teste sanguíneo personalizado pode dizer se, após o início do tratamento, o câncer de um paciente se difundiu ou recuou, oferecendo uma maneira mais eficiente para saber se a terapia está funcionando. As funções da ferramenta foram explicadas em um artigo publicado esta semana na revista americana “Science Translational Medicine”.

De acordo com o estudo, se submeter a um exame que pode identificar tumores no sangue poderia ajudar os médicos a personalizar os tratamentos de câncer, oferecendo terapias mais agressivas para certos pacientes, enquanto poupa outros de quimioterapias e radioterapias desnecessárias.

– O teste pode facilitar a administração do tratamento de uma série de pacientes – explica o autor dos estudos, Bert Vogelstein, do Instituto Médico Howard Hughes e da Universidade John Hopkins, ambos nos EUA.

Os testes genéticos usam recursos de ponta para sequenciar genomas inteiros, um procedimento que já foi demorado e custoso.

– Trata-se realmente de medicina personalizada – orgulha-se Vogelstein. – É um exame que deve ser elaborado de acordo com as necessidades de cada paciente.

Para realizar o levantamento, os pesquisadores recolheram seis conjuntos de tecido normal e canceroso de quatro pacientes com câncer colo-retal e dois com câncer de mama. A etapa seguinte foi mapear o código genético de cada uma das amostras. Naquelas cancerígenas, a equipe médica procurou por áreas do genoma em que havia cópias extras de DNA ou cromossomos fundidos.

– Houve, em média, nove rearranjos em cada amostra – revela Victor Velculescu, da Universidade John Hopkins. – Estas alterações não estão presentes no tecido normal recolhido.

Após a equipe identificar o que seria a assinatura genética do tumor, o passo seguinte foi procurar, no sangue dos pacientes, vestígios de DNA liberados pelo tumor. A busca teve sucesso em dois pacientes com câncer colo-retal. Ambos foram submetidos a cirurgia para remoção de tumor.

Depois da intervenção, o nível da assinatura genética dos tumores caiu, mas logo voltou aos índices normais. Esta mudança foi interpretada como um indício de que o câncer permanecia no sangue dos pacientes. Realizou-se, então, uma nova cirurgia e uma rodada de quimioterapia, e os níveis de contaminação foram novamente reduzidos.

O Globo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s