Metade das adolescentes nos EUA tem DST, mostra pesquisa

*Venho realizando palestras em escolas sobre as DSTs e observo que os nossos jovens sabem pouco ou quase nada sobre as DSTs e suas consequências.(Sandra de Andrade)

da Folha de S.Paulo

Apenas dois anos após o início da vida sexual, metade das adolescentes tem pelo menos uma entre três doenças sexualmente transmissíveis. A conclusão é de um estudo da Universidade de Indiana, nos EUA, publicado na edição de dezembro do “Archives of Pediatrics and Adolescent Medicine”.

Segundo o artigo, trata-se do primeiro estudo que traz dados sobre o contágio por DSTs logo após o início da vida sexual.

Os pesquisadores acompanharam 386 meninas entre 14 e 17 anos durante oito anos e avaliaram periodicamente a presença dos micro-organismos causadores de clamídia, gonorreia e tricomoníase.

A pesquisa também concluiu que 25% delas tinham sido contaminadas com 15 anos, em média, e que a doença mais frequente foi a clamídia.

As infecções de repetição também foram comuns. Após quatro ou seis meses de tratamento, 25% eram reinfectadas.

“Isso é muito comum e sinaliza troca de parceiro e falta do uso de preservativo”, explica a ginecologista Denise Coimbra, do Grupo de Reprodução Humana da Universidade Federal de São Paulo. Segundo ela, a mesma situação é observada no Brasil.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s