REVIFÉ é revivendo com fé!

Projeto Rondon – Campi Avançados

Deixe um comentário


CAMPIS AVANÇADOS
Luiz Mendonça
Jornalista e Conselheiro Nacional do Projeto Rondon
Artigo publicado no Jornal ADESGUIANO – Março de 2009 páginas 4

Atentem para o que lerão:
Autoridades brasileiras afirmaram, no Congresso Nacional, sobre as ONGs na Amazônia sem o controle pelo Governo, sobre as quais “muito pouco” se pode faze; considerando as limitações
Jurídicas. “Não podemos sequer saber o conteúdo dos interesses dessas organizações porque a Lei não permite”. Que absurdo! Que fragilidade!
Para encaminhar a solução deste problema é possível usar a experiência de 40 anos de Projeto Rondon, que mobilizou mais de 400 mil universitários e professores na luta pela integração e ocupação da Amazônia, com o programa Campi Avançados. Em 1989 havia, na Amazônia, 23 Campi, operados por 55 instituições de ensino de todo o país, sendo 35 universidades e 20 escolas de ensino superior!
Durante 22 anos os Campi existiram, equipados e funcionando, com alojamentos e demais instalações de apoio administrativo, salas de aula, laboratórios, ambulatórios, veículos, lanchas, barcos, proporcionando a mais de 120 mil participantes a oportunidade de conviver com realidades assimétricas e dispares.
Era o Projeto Rondon! Perguntem aos seus amigos: “Vocês já ouviram falar do Projeto Rondon¿” Registrem a resposta.
Mais do que prestarem serviços dos órgãos públicos municipais e estaduais, com levantamentos estatísticos, estudos de desenvolvimento; mais do que a assistência médico-social, odontológica, oftalmológica, preventiva, vacinação; mais do que toda a sorte de assistência social que os rondonistas propiciam às populações carentes ações que por si só justificam a existência do PROJETO RONDON.
Os Campi Avançados significaram a integração dos brasileiros com o país. E ainda mais: promoveram a troca de culturas, hábitos, religião e saberes dos múltiplos segmentos que compõe a Nação. Com eles criou-se o Programa de Interiorização, voltado para profissionais recém formados. Esse programa era o que modernamente pretende o governo para o aproveitamento dos jovens do serviço militar, não incorporados às Forças Armadas.

NOTA DOS EDITORES DA FOLHA REPUBLICANA:
A AMAZÔNIA É NOSSA!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s